A importante fase de estágios

Olá pessoal! Hoje vim falar sobre as escolhas de estágio, principalmente para os que estão na graduação ou próximo da conclusão, opinando sobre a importância que este período representou na minha vida profissional.

Muitos de vocês estão nesse momento: ou escolhendo o caminho a seguir ou com dúvidas (se vale a pena ou não) dedicar horas semanais ao estágio, pois a agenda de aulas é intensa (principalmente onde os cursos são período integral).

Recentemente li um artigo da coach Ronara Santos falando da fase de estágios, como este é um momento de treino e muito networking, que permite também vivenciar uma prévia da atuação, literalmente com a mão na massa.

Foto: Embrapa

Meu primeiro estágio foi no setor de Ciências do Solo, na Escola de Agronomia. Escolhi esta disciplina, pois para mim era o assunto mais novo e diferente (pois as matérias iniciais são básicas), e o solo é a base do nosso sistema produtivo! Aqui já afirmo: a parte de campo e laboratório foram grandes complementos para as disciplinas em sala de aula. Minha sensação era de “tempo ganho” pelas horas de estágio, por estar familiarizada com alguns termos, processos e cálculos. Ou seja: ponto a favor para o estágio!

O segundo estágio foi na empresa júnior Agro. Comecei a entender áreas de estruturas básicas de uma empresa como: administrativa, contábil, técnica, marketing, RH e comercial. E o acesso ao cliente! Como não temos uma disciplina focada dentro da grade, tive chance de aprender junto com os colegas (ainda dentro da faculdade) e com o apoio dos professores. Quando formei (como disse no texto anterior), iniciei na área comercial e o aprendizado da empresa Junior foi fundamental. Novamente: ponto para o estágio!

Próximo da conclusão da graduação em Agronomia me dediquei intensamente a dois estágios, momento em que muitos estão agora, que é na reta final. Queria aproveitar o momento final do curso para aprender ainda mais sobre área de pesquisa estatal e área de produção comercial em fronteira agrícola. São dois mundos completamente distintos na prática e a experiência foi fantástica (advinha: pontos para os estágios)!

Fiquei 3 meses, na Embrapa Cerrados (Distrito Federal), acompanhando o dia a dia de pesquisas, testes, rotina laboratorial, montagem de experimentos, coletas de dados com direcionamento do pesquisador supervisor. O mais interessante foi conhecer a estrutura de pesquisa, da geração de informações, conhecer muitos pesquisadores na nossa área, além do precioso networking. Recomendo até para quem pretende decidir se dará sequência de estudo como o mestrado, por exemplo. Nesta fase, escrevi o relatório de estágio curricular obrigatório, para defesa e conclusão do curso.

Estava aproximando a hora da formatura e para finalizar, dediquei 4 meses no período de safra em fazenda de produção agrícola, em Balsas/MA. Aquela hora que realmente nos sentimos agrônomos (por experimentar quase todas as disciplinas do curso numa engrenagem produtiva) e contando com a supervisão de um profissional orientador. A rotina intensa de fazenda, plantio, manejos e aplicações para controles de pragas e doenças, equipes de campo, acesso a planejamento de produção e como lidar com mudanças e adaptações devido ao clima. Minha sensação é de ter fechado com “chave de ouro”, já que dali pra frente era hora de calçar a botina e ir para o mercado de trabalho.

Concluo a coluna de hoje afirmando que foram horas, dias e meses preciosos de muito aprendizado e fundamentais para minha carreira profissional.

Gostaria de saber de vocês: se já estão em período de estágio, se optaram por aguardar mais para o final do curso ou se o texto ajudou, e a partir de agora vão buscar novas experiências?

 

Grande abraço e até em breve!

Alessandra Decicino

1 thought on “A importante fase de estágios

  • Saudações Alessandra,

    Muito bom seu artigo, apenas reforçando seu artigo e mais ainda seu site, historicamente os países, que deram voz ás mulheres em qualquer área que fosse, hoje esta em um muito mais evoluído economicamente, socialmente e principalmente culturalmente, fazendo que a população como um todos tire todo o proveito e principalmente da dualidade da forma de pensar.

    Podemos ver que países como França, Alemanha, Reino Unido, EUA, atrevo me a dizer Brasil, hoje estão muito mais forte em função dessa abertura gerada pelas próprias mulheres. Foi fácil? Claro que não muitas e muitas sofreram literalmente com a ignorância, mas hoje se colhe os frutos dos desafios vencidos, e não existe campos onde ambos, Mulheres e Homens não possam compartilhar de tarefas e criações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *