Colunista Aretuza Negri explana sobre IoT: Quem é ou o que é isso?

Para as pessoas que acompanham o Mulheres em Campo, obrigada por estarem lendo este texto, meu primeiro como integrante da equipe de colunistas do site.

Aceitar tal convite, além de ter sido uma honra, foi a forma que encontrei de mostrar que nós mulheres do agro temos domínio pelos mais diversos temas pertinentes ao setor e não estamos aqui somente para falar sobre o empoderamento feminino no agro. Meu objetivo maior, é  ampliar a visão que as pessoas têm do agro, que vai muito além do ciclo cuidar da terra, plantar, colher e consumir ou comercializar (Sim! Algumas pessoas AINDA possuem esta visão).  Então, hoje apresento um tema que está sendo bastante comentado na agricultura, o já famoso  IoT.

Resultado de imagem para INTERROGAÇÃO

MAS O QUE É? ONDE VIVE? É DE COMER?

Comecei ouvir muito essa palavra nos congressos e simpósios que eu visitava, então você que atua ou pretende atuar com agro, principalmente em campo, é bom saber um pouquinho mais sobre IoT.

Internet Of Things (IoT), ou simplesmente Internet das Coisas, é o um conceito relativamente recente, criado pelo cientista britânico Kevin Ashton na virada do século, que expressa a capacidade de conexão. Abrange as tecnologias capazes de conectar todos os tipos de dispositivos digitais a bases de dados, a redes e à internet, para que “conversem” entre si ou possam ser acessados à distância. Faz cada vez mais parte da nossa vida e está presente em quase todas as áreas da economia. De acordo com um cálculo da BI Intelligence, a IoT deverá gerar investimentos de U$ 6 trilhões entre 2015 e 2020, o que representa 1,25% do PIB global neste período.

No agronegócio desempenha um papel essencial, que representa mais de 21% do PIB brasileiro, com produção superior a R$ 1,2 trilhão e é responsável por quase metade das exportações do país. O Brasil é o segundo maior produtor mundial de alimentos, depois dos Estados Unidos e segundo estudos da ONU deverá chegar ao primeiro posto na próxima década, considerando seu imenso potencial de expansão. Com isso temos um grande desafio: produzir mais com menos recursos e de maneira sustentável para alimentar a população global que atingirá 8,6 bilhões de pessoas em 2030, segundo previsão da a Organização das Nações Unidas (ONU). A internet das coisas (IoT) é parte importante na resposta a esse desafio.

Verdade seja dita, a agricultura mundial perdeu aquela imagem idílica, da casinha perdida no horizonte, com alguns animais a sua volta. O conceito de vida simples do campo caiu.

Com o espaço que a tecnologia ganhou no campo  a IoT avança a passos largos em áreas essenciais, desde o rastreamento da logística de transportes das safras até os drones que monitoram as lavouras.

Resultado de imagem para drone na agricultura

Atualmente, conforme dados da Associação Brasileira de Agronegócio (Abag), 60% da agricultura nacional utiliza a IoT e a tendência é de crescimento. O acesso aos dados em tempo real é um grande avanço para o setor, independente da área em que a IoT está sendo usada, seja em maquinário, agricultura de precisão, monitoramento, a tecnologia se faz presente para otimizar processos, minimizar perdas e maximizar resultados. Porém ainda existem áreas, onde a aplicação de toda esta tecnologia não é viável, principalmente para os pequenos produtores. A melhoria  da infraestrutura é fundamental para que a IoT possa estar mais disponível para todos.  

De acordo com o diretor da Abag, Luiz Cornacchioni, o custo da tecnologia não é significativamente mais elevado, mas é necessário adequá-la à realidade da produção: a diferença financeira entre a máquina com essa tecnologia e a sem é revertida rapidamente pelo ganho de eficiência, no entanto, a mão de obra para aplicá-la limita um pouco o pequeno produtor.

Por meio de recursos como imagens de satélite, algoritmos de aplicação variável, sensores de alta tecnologia, aplicações móveis ou GPS, a tomada de decisão se torna mais clara, mais inteligente e mais simples.

A Internet das Coisas vai abrir novas oportunidades de negócios na agricultura digital, abrangendo mais elos da cadeia produtiva do agronegócio – não se limitando apenas à produção física nas fazendas, bem como promovendo mudanças nos serviços que serão ofertados.

Devido a dimensão dos desafios, a demanda por profissionais especializados nessas tecnologias deve crescer muito, a tecnologia das coisas vai abrir muito espaço de trabalho em um futuro bem próximo.

Fonte: Bayer Jovens, Santander, Destaque Rural

One thought on “Colunista Aretuza Negri explana sobre IoT: Quem é ou o que é isso?”

  1. Muito bom o texto Aretuza! Realmente é uma tendência que não pode ser ignorada, devido aos grandes ganhos de planejamento, previsibilidade e produtividade atrelados.

    Obrigado por compartilhar!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Redes Sociais
Nossa História

Fundado em dezembro de 2015, o portal Mulheres em Campo é o primeiro site voltado ao desenvolvimento da mulher no agronegócio. Líder neste segmento há quase 3 anos, o portal vem conquistando espaço perante o setor agrícola e pecuário brasileiro. Atualmente conta com apoio de empresas de renome e é o único portal voltado para mulheres que realiza a cobertura do Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio.