Existe sororidade no universo agro?

Muito se fala atualmente sobre o empoderamento feminino e a força que a mulher vem ganhando no agronegócio, mas o que você tem feito para que isso, de fato, se torne realidade? A conexão virtual é grande, nós estamos conectadas nas redes sociais, curtimos, comentamos e compartilhamos. Mas, nosso discurso está de acordo com nossas atitudes?

É possível você já tenha sofrido algum preconceito pelo simples fato de ser mulher, excluída de alguma atividade, de algum processo seletivo, afinal alguns empregadores ainda tem o pensamento retrógrado de que ‘mulher engravida e é prejuízo para a empresa’, e em algum desses momentos você precisou de ajuda, de um conselho. Você encontrou? Onde? Nos compartilhamentos? Nas curtidas das redes? Os likes que vocês trocam realmente mostram o quanto estão preocupadas umas com as outras? Quantos cafés vocês têm tomado juntas e discutido sobre isso? É mais fácil somar à outra ou competir com ela? É mais fácil dar parabéns e ficar feliz pela conquista ou ‘engolir’ o sucesso de outra mulher?  Alfinetar é mais fácil que desejar o bem? Se você está lendo até aqui já percebeu que o artigo de hoje é mais sobre perguntas do que sobre respostas. É mais fácil falar mal da roupa que a colega foi na entrevista de trabalho ou tentar orientá-la? É mais fácil falar mal ou conhecer o problema de outra pessoa?

Falando com propriedade sobre o universo agro, quantas agrônomas/veterinárias/zootecnistas você já viu formar e ir para o interior do país a trabalho? A chegada em um local desconhecido, a presença de poucas ou nenhuma mulher por lá, a cobrança da empresa e o medo do novo são coisas recorrentes e que, podem amedrontar ou trilhar o caminho de sucesso de uma profissional. Se você já passou por isso, por que não acolher as que estão chegando? Mostre, de alguma forma que está disponível para uma conversa, um almoço, um café e esteja atenta para perceber quando alguém precisa de você.  

O mesmo pode acontecer ainda antes, quando uma menina passa no vestibular e vai morar em outra cidade. Se você já passou por isso esteja disposta a acolher aquela que  está passando e verá que, com algumas palavras, pode ajudar e transformar a vida de outra pessoa. 

Sororidade, portanto, é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum. A psicóloga Sarah Lopes, do Hapvida Saúde, ressalta: “Porque para que se conquiste algo é preciso a união. As mulheres mesmo com suas conquistas ainda fazem parte de um grupo que luta por mais direitos. Então, quando se pratica a sororidade, a luta pela melhoria se torna menos árdua e mais eficaz”. 

Falando sobre agronegócio, quando criamos o Mulheres em Campo, em dezembro de 2015, ainda não havia nenhum site que pensasse especialmente nas mulheres do agro e em como ajudá-las, somos pioneiras. Mas hoje é nítido o crescimento e surgimento de diversas organizações que auxiliam e estão disponíveis para atender a esse nicho. Isso é fantástico e gostaria de saber, com vocês leitoras, se é efetivo! 

E então, na sua região possui alguma organização para mulheres do agro? Se não existe, você tem  coragem de dar o pontapé inicial? Se já existe, o que acha que poderia ser feito para melhorá-las? Como você acredita que pode praticar a sororidade e influenciar positivamente a vida de outra mulher? 

Como eu havia dito, esse artigo é mais sobre perguntas do que sobre respostas, conto com a participação de todas vocês 🙂

Fonte consultada: Seguro Notícias, Significados
Autora: Mariana Antunes – mariana@mulheresemcampo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Redes Sociais
Nossa História

Fundado em dezembro de 2015, o portal Mulheres em Campo é o primeiro site voltado ao desenvolvimento da mulher no agronegócio. Líder neste segmento há quase 3 anos, o portal vem conquistando espaço perante o setor agrícola e pecuário brasileiro. Atualmente conta com apoio de empresas de renome e é o único portal voltado para mulheres que realiza a cobertura do Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio.